AEB Diário – quarta-feira, 21/10/2020

Legislação

1 – Legislação Federal publicada na Edição do DOU de 21.10.2020 – Edição:

Pág. 17 – Portaria Conjunta Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais nº 22.091, de 08/10/2020 – Revoga a Portaria MDIC n° 113, de 17 de maio de 2012, e suas alterações, a Portaria Conjunta RFB/SCS n° 1908, de 19 de julho de 2012, e suas alterações, e a Portaria Conjunta RFB/SCS nº 2.066, de 21 de dezembro de 2018.

Consultar DOU 21.10.2020

Notícias

Informamos que foi realizada uma live pela AEB sobre nossas ações contra o Cartel de Câmbio, visando sanar dúvidas da iniciativa. O webinar continua disponível no nosso canal do youtube. 

A AEB, a CNI e a FIRJAN tem o prazer de convida-los a participar do workshop “Estratégia de inserção do Brasil: novo contexto mundial” que vai acontecer na próxima quinta feira, 22/10/2020 de 9:00 às 12:30. As inscrições gratuitas, programação completa e mais informações estão disponíveis no nosso site.

5G: Embaixada da China no Brasil parte para a ofensiva e defende a Huawei das acusações feitas pelos EUA
O Ministério das Relações Exteriores da China usou o perfil nas redes sociais da embaixada do país em Brasília para responder aos ataques feitos nesta capital por integrantes de uma missão de alto nível do governo dos Estados Unidos em relação à participação da companhia chinesa Huawei no fornecimento de tecnologia para a implantação da rede 5G no Brasil. [Leia a matéria completa em Comex do Brasil]

Exportação brasileira encolheu mais que média global no terceiro trimestre
Um levantamento publicado nesta quarta-feira pela ONU revela que as exportações brasileiras no terceiro trimestre de 2020 sofreram uma queda mais profunda que a média do comércio internacional. [Leia a matéria completa em UOL]

Conclusão do acordo Mercosul-UE depende de mudanças na política ambiental do Brasil
Os esforços do governo brasileiro para conseguir apoio à conclusão do acordo entre Mercosul e União Europeia, incluindo a aproximação com Portugal, neste mês, possuem poucas chances de reduzir as pressões contrárias ao tratado, cuja ratificação depende da aprovação de todos os países-membros. Com o aumento do desmatamento no centro das críticas ao Brasil, diplomatas e ex-ministros avaliam que só avanços efetivos no combate a crimes ambientais seriam capazes de destravar as negociações. [Leia a matéria completa em Globo Rural]